Inseminação artificial: uma técnica acessível da reprodução assistida

Dr. Carlyson Pimentel Moschen Inseminacao artificial uma tecnica acessivel de reproducao assistida
Inseminação artificial: uma técnica acessível da reprodução assistida
Avalie essa postagem!

Muitos casais buscam a inseminação artificial, tratamento de reprodução humana assistida de baixa complexidade, como alternativa para engravidar. A técnica consiste em injetar os espermatozoides após processamento diretamente no útero, aumentando as chances de concepção.

Como existem muitas dúvidas sobre o tratamento, elaboramos um artigo para esclarecer as principais questões sobre o tema. Confira!

Como é feita a inseminação artificial?

Antes da inseminação propriamente dita, a mulher passa por uma estimulação ovariana, para que o organismo desenvolva mais de um óvulo durante o ciclo menstrual. Por meio de ultrassonografias, o médico avalia o desenvolvimento dos folículos, que, quando estão no tamanho ideal, a paciente recebe uma injeção de hCG para induzir a ovulação.

A inseminação artificial deve ocorrer após 36 horas da administração do hormônio. A coleta do sêmen é feita no mesmo dia da inseminação. No laboratório, os melhores espermatozoides são selecionados e, por meio de um fino cateter, inseridos na cavidade uterina.

Após o procedimento, é aconselhável que a paciente permaneça deitada na mesa ginecológica por alguns minutos, para facilitar o encontro do espermatozoide com o óvulo. O processo de fecundação deve ocorrer naturalmente na tuba uterina. Após 15 dias, é possível constatar se o tratamento resultou em gravidez.

Para quais casos é indicada e quem pode fazê-la?

A inseminação artificial é indicada para casais em que o fator masculino não seja a principal causa. O procedimento também é uma opção para mulheres com menos de 35 anos e com reserva ovariana compatível com a idade, mulheres que não ovulam ou ovulam de forma irregular, geralmente em razão de uma disfunção hormonal ou da síndrome dos ovários policísticos.

Além desses casos, a inseminação artificial é indicada para pacientes que optam por sêmen do banco de doadores.

Há contraindicações?

A inseminação artificial não é indicada para mulheres com obstrução nas tubas uterinas, baixa reserva ovariana e idade acima de 35 anos, assim como não é indicada para homens com baixa concentração e motilidade de espermatozoides. O procedimento também não terá resultados em quem passou por vasectomia ou laqueadura.

Nesses casos, a alternativa para a gravidez é a fertilização in vitro (FIV).

Existe algum risco ao passar pelo procedimento?

Um dos riscos da inseminação artificial é a ocorrência da síndrome de hiperestimulação ovariana, que se caracteriza pela resposta exagerada dos ovários após o procedimento da estimulação da ovulação.

No estágio leve da síndrome, os sintomas mais comuns são náuseas, vômitos e inchaços na região do ventre. Já em casos graves, pode ocorrer sede por conta da desidratação, dificuldade para respirar e surgimento de manchas vermelhas nas pernas. Em casos mais sérios, há o risco de trombose e insuficiência renal.

Porém, a ocorrência da síndrome é rara. Além disso, os bons médicos da área de reprodução humana avaliam as condições da paciente para determinar qual dose hormonal é segura para ser administrada.

A inseminação artificial também pode oferecer o risco da gravidez gemelar, ou seja, gravidez de gêmeos. Nesse caso, há mais possibilidades de ocorrer parto prematuro, colocando em risco a saúde dos bebês. Além disso, a mãe tem o dobro de chances de desenvolver pré-eclâmpsia, doença caracterizada pela pressão arterial alta na gravidez.

Qual o valor do tratamento?

Com o passar dos anos, o valor da inseminação artificial reduziu. Hoje, ela é uma das técnicas de reprodução humana assistida mais acessíveis.

Quais são as chances de sucesso?

A inseminação artificial resulta em gravidez entre 10% e 20% dos casos. Existem alguns fatores que influenciam no sucesso do tratamento, como por exemplo, a idade da mulher.

É importante lembrar que, para alcançar o resultado esperado, a escolha da clínica é essencial. Por isso, quando for pesquisar as opções, avalie as qualificações do corpo clínico e quais serviços o centro de reprodução humana oferece.

Como todo tratamento de reprodução assistida gera ansiedade, ter um apoio psicológico durante essa fase é essencial para obter um bom resultado.

Este artigo foi esclarecedor? Se você tem interesse em fazer a inseminação artificial e quer saber mais sobre ela, entre em contato conosco. Contamos com uma equipe bem preparada para melhor atendê-lo!

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de

Avalie essa postagem! Você já ouviu falar em fragmentação do DNA espermático? A análise da fragmentação do DNA do esperma é um teste amplo e complementar ao espermograma, a fim de determinar o dano específico sobre a estrutura e a integridade da fita de DNA […]

Continue lendo...

Agende sua consulta online

Agendar agora

+55 (27) 3200-4818

+55 (27) 3299-0510

+55 (27) 98884-4818

@unifert

@clinica_unifert


Rua Dr. Freitas Lima, 100 – Centro de Vila Velha, Vila Velha – ES