Saiba quais são as principais causas da infertilidade feminina

Dra. Mariana Penha De Nadai Sartori Saiba quais sao as principais causas da infertilidade feminina
Saiba quais são as principais causas da infertilidade feminina
Avalie essa postagem!

Apenas um terço dos casos de infertilidade estão relacionados exclusivamente a problemas no sistema reprodutor feminino, embora, há poucas décadas, acreditava-se que a mulher era a única responsável pela infertilidade do casal.

Existem inúmeras causas de infertilidade feminina. Neste artigo, listaremos as 5 principais. Confira:

1. Síndrome dos ovários policísticos

A síndrome dos ovários policísticos (SOP) afeta cerca de 15% a 20% das mulheres. Ela se caracteriza pela falta de menstruação ou menstruação irregular, falta de ovulação e/ou alta taxa de hormônio masculino, que causa excesso de oleosidade e crescimento de pelos no corpo, além de microcistos nos ovários. Ainda não se sabe ao certo o que causa a doença, mas alguns estudos associam a SOP à resistência da ação da insulina no corpo.

O tratamento para a SOP vai depender de cada caso, mas uma forma de prevenção e controle da doença é manter uma dieta saudável e praticar exercícios físicos. Para as mulheres com SOP, que estão com dificuldades para engravidar, a indução da ovulação com coito programado pode ser uma opção.

2. Obstrução das tubas uterinas

A obstrução das tubas uterinas, órgãos responsáveis por captar os óvulos, é uma das principais causas da infertilidade feminina. É na tuba uterina que ocorre o encontro do óvulo e do espermatozoide, e uma obstrução impede esse processo.

A obstrução pode ocorrer pela cicatrização da área após uma forte inflamação. Por isso, ignorar os sinais de infecções íntimas e doenças como clamídia é um risco para a fertilidade. Cirurgias pélvicas também podem obstruir as tubas.

Em alguns casos, uma intervenção cirúrgica pode resolver o problema e desobstruir as tubas uterinas. Dependendo da situação, a fertilização in vitro (FIV) é a única maneira de viabilizar uma gravidez.

3. Endometriose

O endométrio, tecido que reveste a cavidade uterina, se prepara mensalmente para uma possível gravidez. Quando ela não ocorre, o endométrio é expelido pelo organismo com a menstruação. A endometriose ocorre, portanto, com o crescimento do endométrio para outros órgãos do corpo, principalmente, para a região da pelve, próxima às tubas uterinas e nos ovários.

Quando as tubas são atingidas, o acesso do óvulo para o útero é inviabilizado, causando a infertilidade. A doença pode causar sintomas perceptíveis, como fortes dores na região abdominal, sangramento excessivo durante a menstruação e cólicas fortes. Em muitas mulheres, porém, ela é assintomática.

A causa da endometriose ainda é desconhecida, mas ela pode estar associada a fatores hereditários, estresse e ansiedade, já que são condições que influenciam o desenvolvimento da doença. O tratamento é feito com medicamentos e, quando necessário, com cirurgia. Mesmo assim, em muitos casos, ainda é preciso buscar ajuda para engravidar. Antes de realizar a cirurgia é muito importante ouvir um especialista em reprodução assistida.

4. Falta de ovulação

Há mulheres que não ovulam, e há inúmeros motivos para isso ocorrer. Alterações no funcionamento da tireoide e aumento da prolactina, por exemplo, afetam os hormônios responsáveis pela ovulação, causando a infertilidade.

O tratamento para alterações hormonais é feito com medicamentos, mas manter uma dieta equilibrada e praticar atividades físicas também contribui para controlar a doença, aumentando as chances de engravidar.

Mulheres que passaram por quimioterapia e radioterapia também podem deixar de ovular, pois o tratamento é tão agressivo que compromete a reserva ovariana. Por isso, para mulheres que vão passar por um tratamento contra o câncer e que desejam ser mães no futuro, é indicado congelar os óvulos antes do tratamento.

5. Idade

A mulher já nasce com um número determinado de óvulos — aproximadamente dois milhões. Ao atingir a puberdade, sua reserva ovariana conta com cerca de 500 mil óvulos ou menos. A cada ciclo, o corpo reserva mil óvulos para amadurecimento, embora apenas um seja liberado e o restante, inutilizado. Por isso, quanto mais avançada a idade da mulher, menor a reserva ovariana, tornando a gravidez por via natural mais difícil. Nesses casos, a FIV é o tratamento com maiores chances de sucesso.

É preciso ter em mente que a maioria das causas da infertilidade feminina tem tratamento. Se você se enquadra em algum desses casos, portanto, não deixe de procurar ajuda de uma boa clínica de reprodução humana.

Dúvidas? Conte aqui nos comentários!

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de

Avalie essa postagem! Você já ouviu falar em fragmentação do DNA espermático? A análise da fragmentação do DNA do esperma é um teste amplo e complementar ao espermograma, a fim de determinar o dano específico sobre a estrutura e a integridade da fita de DNA […]

Continue lendo...

Agende sua consulta online

Agendar agora

+55 (27) 3200-4818

+55 (27) 3299-0510

+55 (27) 98884-4818

@unifert

@clinica_unifert


Rua Dr. Freitas Lima, 100 – Centro de Vila Velha, Vila Velha – ES