Conheça os 5 principais mitos sobre a FIV

Dra. Mariana Penha De Nadai Sartori

A fertilização in vitro (FIV) é uma técnica avançada de reprodução assistida feita com a fecundação do óvulo pelo espermatozoide em laboratório e posterior transferência do embrião ao útero feminino. Esse tratamento foi efetivamente realizado a primeira vez na década de 1970 e tornou-se muito popular por ser uma técnica avançada e com resultados satisfatórios para casais que sofriam com alguma dificuldade para ter filhos.

Por ser um tratamento muito procurado, é normal que casais se deparem com alguns mitos sobre a FIV. Para evitar que você tenha acesso a informações incorretas, neste artigo preparamos uma lista com as 5 principais inverdades contadas sobre o método. Confira!

1. É possível escolher o sexo do bebê?

Não. O Conselho Federal de Medicina, por meio da resolução CFM 2168/2017 veta técnicas que visem selecionar o sexo da criança (análise da presença ou ausência do cromossomo Y). Também é proibida a seleção de qualquer outra característica biológica do bebê, exceto para evitar doenças de origem hereditária ou ligadas ao sexo.

2. A fertilização in vitro engorda?

Esse é mais um mito sobre a FIV que surge porque algumas mulheres sentem que engordam ao passar pelo procedimento.

No entanto, o período pelo qual a mulher passa pela estimulação ovariana é de até 15 dias. Nesse tempo, o que ocorre é um inchaço em algumas partes do corpo proveniente da retenção de líquido causada pela produção de um maior número de óvulos.

3. Esse método pode ser feito em qualquer idade?

O método de FIV pode ser feito em mulheres que estejam na idade fértil. No entanto, devido à tendência natural de, com o avanço da idade, a mulher produzir óvulos de menor qualidade, recomenda-se que não se aguarde muito para recorrer ao procedimento. Conforme os anos passam, as chances de eficácia vão reduzindo drasticamente.

No entanto, ainda existe a possibilidade de utilizar óvulos congelados previamente ou doados, mas há uma sugestão de limite de 50 anos de idade, de acordo com a resolução do CFM.

4. A FIV sempre dá origem a gestações múltiplas?

Não. Normalmente, a chance de ter gestações múltiplas varia de acordo com a quantidade de embriões transferidos ao útero. Quando transferimos um embrião, a chance de gestação múltipla é a mesma para a fertilização por vias normais: apenas caso ele se divida.

No entanto, nem sempre, ao transferir apenas um, o procedimento terá sucesso e, por isso, muitos médicos e pacientes optam por transferir dois, três ou quatro embriões, de acordo com as orientações previstas na resolução do CFM.

A quantidade, no entanto, varia de acordo com a idade da mulher:

5. O bebê gerado por meio da FIV é menos saudável?

Não. Ao ser transferido para o útero da mulher, o embrião é gestado da mesma forma que na fertilização natural. Ou seja, o bebê gerado pela FIV tem as mesmas condições de se desenvolver de maneira normal e saudável quanto qualquer outro, dependendo apenas das características genéticas herdadas dos pais e do estilo de vida da gestante.

A maior parte dos mitos sobre FIV surge devido à falta de informação a respeito desse procedimento. Caso queira saber mais sobre esse assunto, o ideal é sempre consultar um especialista para tirar as suas dúvidas.

Se você quer ter acesso a outros conteúdos sobre gestação e fertilidade, assine a nossa newsletter!

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Preservação da Fertilidade em Pacientes Oncológicos
Preservação da Fertilidade em Pacientes Oncológicos

Ser diagnosticado com câncer, pode ser uma das experiências mais difíceis que passamos na vida. E após receber essa notícia, nossa prioridade deve ser tratar o problema. Entretanto, apesar do medo inicial, também podemos enxergar esperança na eficácia, cada vez maior, dos resultados dos tratamentos […]

Continue lendo...

Agende sua consulta online

Agendar agora

+55 (27) 3200-4818

+55 (27) 98884-4818

@unifert

@clinica_unifert


Rua Dr. Freitas Lima, 100 – Centro de Vila Velha, Vila Velha – ES